Bolsistas compartilham suas experiências e dicas sobre a região de Boston

A região de Boston é um destino bem requisitado pelos bolsistas do Instituto Ling. Isso porque reúne duas das mais prestigiadas instituições de ensino dos Estados Unidos, a Harvard University e o MIT - Massachusetts Institute of Technology, além de outras universidades de alta qualidade. Convidamos alguns bolsistas que estão estudando lá para contarem um pouco sobre suas experiências e compartilharem dicas sobre a cidade. Confira abaixo o que dizem Bruno Bueno Correa Martins, Eduardo Moraes Schuch, Jean Rodrigo Ribeiro de Pontes e Rafaella Mazza.

Bolsistas compartilham suas experiências e dicas sobre a região de Boston
Paisagem de Boston. Crédito: Jeff Gunn

Onde morar – Boston ou Cambridge

Segundo Rafaella, que está cursando o MBA em Harvard, a maior parte das atividades acontece em Cambridge, e, por isso, muitos alunos moram por ali. Ela explica que uma opção de moradia é o Harvard University Housing. São diversos prédios de moradia estudantil, a maioria em Cambridge e dois em Boston. Ela diz que o processo de solicitação é um pouco complicado, porque a demanda é muito maior que a oferta, sendo uma verdadeira loteria. Para alunos da Harvard Business School, os residence halls ou dorms funcionam muito bem para quem não usa cozinha ou não se incomoda de usar cozinhas comunitárias. Outra possibilidade é ir atrás de brokers locais, que podem acabar sendo uma opção mais difícil para alunos internacionais por causa de taxas e documentações exigidas. Outra dica é hospedar-se no município de Sommerville, que fica um pouco mais distante, atrás de Cambridge, e tem muitas opções de moradia mais em conta.

Bruno, bolsista de MPA, explica que Cambridge e Boston são duas cidades que mais parecem dois bairros divididos pelo Charles River e Harvard está espalhada ao redor desse rio. A grande maioria dos alunos vive nos dormitórios e apartamentos alugados e subsidiados pela universidade. Uma das variáveis mais consideradas pelos alunos ao escolher onde morar é a proximidade da escola, especialmente porque andar no frio extremo da região pode ser bem desagradável. Entretanto, ele diz que pouco depois de chegar na cidade, percebe-se que tudo é bem perto. Quando estava procurando apartamento, Bruno definiu que não queria atravessar o rio todos os dias para ir à aula, então decidiu viver no Peabody Terrace, que fica em Cambridge, junto com a Harvard Kennedy School. Mas se arrependeu da decisão depois de chegar lá, porque os apartamentos do Soliders Field Park e One Western Avenue – no lado de Boston – eram mais novos e agradáveis.

Dica do bolsista: pergunte para os alumni como é a comunidade da sua escola, especialmente para os alunos recém-formados.

Cursando o MBA no MIT, Eduardo conta que as opções de hospedagem no campus estão disponíveis para estudantes solteiros e estudantes com cônjuges, parceiros e/ou famílias elegíveis, com prioridade para estudantes do primeiro ano. E que muitos estudantes de pós-graduação vivem fora do campus. Alguns preferem morar no campus no primeiro ano para conhecer futuros roomates e se mudam para fora do campus no segundo ano. Ele diz que, como encontrou seus roomates antes de ir para lá, optou por morar em um bairro residencial próximo a faculdade. O programa disponibilizou uma planilha com pessoas interessadas em dividir moradia, eles se conectaram virtualmente para se conhecerem e deu certo!

Ele relata que, se você quer ficar perto do MIT, existem 3 regiões mais recomendadas para morar: Kendall, onde a maioria das pessoas moram, fica bem perto da universidade e é possível fazer tudo a pé. Porém, tem menos acesso a supermercados baratos. Central, como o próprio nome diz, a região central de Cambridge, é a parte mais badalada, com algumas casas noturnas e ótimas opções de restaurantes. Você pode ir para o MIT de bicicleta, de metrô (uma estação), ou caminhando (15 minutos). E Boston, que é bem diferente de Cambridge. Para ir de Cambridge a Boston basta cruzar a ponte que passa em cima do Charles River.  Esse trajeto pode ser feito de metrô, carro, bicicleta, ou até caminhando.  E dá a dica que, se você escolher um local próximo ao T (metro), a experiência pode ser bem legal, já que você pode aproveitar os benefícios de morar em Boston e, ao mesmo tempo, ter fácil acesso à universidade.

Dica do bolsista: Não se preocupe, você vai estar bem em qualquer lugar. Essas regiões não são muito longe uma da outra – caminhar de Kendall para Central leva em torno de 15 minutos. Você também pode optar por morar próximo a Harvard Square, principalmente se estiver fazendo um dual degree ou se for dividir casa com alguém que estude em Harvard. Essa região é frequentemente considerada o coração de Cambridge e apresenta uma ampla seleção de bares, lojas e artistas de rua.

                                                               Foto: Bruno Bueno Correa Martins                                   Foto: Eduardo Moraes Schuch

Como se deslocar

Rafaella conta que é possível fazer muitas coisas a pé, porque a cidade é majoritariamente plana e os prédios da universidade estão em walking distance. E que o frio, apesar de intenso, não foi um obstáculo tão grande. Ela conta que, quando o tempo está melhor, usa BlueBikes, um serviço de aluguel de bicicletas. Também já usou os ônibus e metrô da região, que funcionam bem dependendo de onde se precisa ir. Por fim, para sair para jantar ou quando está muito tarde, são muito utilizados aplicativos como Uber e Lyft.

Bruno comenta que uma boa parte dos alunos compram bicicleta. Outros preferem caminhar, dado que tudo é bem perto. Ele escolheu o skate elétrico e é apaixonado pelo equipamento, mas chama atenção que ele funciona bem nos meses mais secos, e que entre dezembro e abril fica mais complicado por causa da neve. Outra dica é que Harvard oferece, todas as noites, um serviço chamado Evening Van, que nada mais é que um aplicativo gratuito para chamar uma van e se deslocar para qualquer lugar perto das escolas. Esse serviço é bem popular, e, por isso, pode demorar para chegar. Mas se você não estiver com pressa é uma excelente opção.

 

Frio

Para alguns estudantes o clima da Nova Inglaterra é um grande ponto negativo, pois lá venta muito e a temperatura pode variar bastante de um dia para o outro. O frio é mais intenso do mês de novembro até metade do mês de abril.

 

Passeios legais na região

Jean, que está realizando o LLM em Harvard, comenta que o Wasserstein Hall, Caspersen Student Center e Clinical Wing (“WCC”) formam o complexo de prédios mais importante da Harvard Law School. Inaugurado em janeiro de 2012, o projeto de autoria do renomado escritório de arquitetura Robert A.M. Stern reúne salas de aula, espaços de convivência, restaurantes, e até mesmo um pub. Desde sua abertura, o WCC funciona como o epicentro da vida acadêmica para os LL.M em Harvard.

Ele conta que mais de metade das noventa organizações estudantis realizam suas reuniões periódicas lá. Aberto todos os dias aos estudantes, é comum se deparar com salas em atividade em um domingo à noite ou em um feriado chuvoso. Porém, são os espaços de socialização que, sem sombra de dúvidas, fazem do WCC o prédio mais importante da Law School. Seja em um dia de inverno rigoroso ou de primavera afável, o WCC sempre está repleto de alunos, professores, funcionários e visitantes.

Nas horas vagas, Rafaella conta que gosta de caminhar por Harvard Square e na beira do Charles River e que cada estação do ano tem sua beleza. É uma região muito arborizada, com passarinhos e esquilos. E que a vida na Harvard Business School tem um aspecto social muito forte, então sempre tem algo acontecendo: brunches, jantares, viagens nacionais e internacionais, aulas de ginástica em grupo, festas, oportunidades não faltam. Ela ainda deu como dica o restaurante Life Alive, que é vegetariano. E disse que, para um café, ela adora o Tatte.

                                                                Foto: Jean Rodrigo Ribeiro de Pontes                                  Foto: Rafaella Mazza

Já Eduardo, conta que vale a pena praticar esportes de inverno como esqui ou snowboard e que, se você tiver oportunidade, compensa comprar o passe da temporada. As diárias são caras, então se você pretende aprender ou ir mais do que um ou dois finais de semana, vale a pena. Geralmente participando dos clubes de esqui e Snowboard na universidade se consegue desconto. Para quem já conhece um pouco do esporte, as montanhas favoritas do bolsista na região de Boston são Killington e Loon que ficam a duas ou três horas de carro e possuem também uma vida noturna legal.

Falando em vida noturna, ele também comenta que a noite em Boston e Cambridge começa mais cedo. Isso porque o estado de Massachusetts proíbe a venda de bebidas alcoólicas depois das 2h da manhã. Além disso, é proibido consumir álcool na rua e é necessário apresentar um documento de identificação e ser maior de 21 anos para comprar e consumir bebidas – os estabelecimentos são bastante rigorosos quanto a isso. Cambridge é uma cidade universitária onde 30% dos moradores são estudantes.  Apesar disso, a noite não é tão movimentada quanto em Boston, diz Eduardo. Ainda assim, existem alguns locais bastante frequentados pelos estudantes. Se você gosta de bares, muitos happy hours acontecem no 730 Tavern e no Shybird. Se estiver procurando uma balada, os alunos costumam frequentar o La Fabrica e o Middlesex, que ficam na região central de Cambridge.

 

Palavra do bolsista

“O MBA em HBS é bem puxado academicamente por conta do case method. Além disso, sempre tem muita coisa acontecendo ao mesmo tempo e é impossível fazer tudo com profundidade. Minha dica é saber que, como aqui é um ambiente de muita pressão e oportunidade, é preciso saber escolher o que fazer e o que não fazer, separar tempo para si e sempre checar como está se sentindo - saúde mental é essencial.” – Rafaella Mazza

“Para fechar aliviando a tensão, minha mensagem final é que nada é definitivo. Se você chegar lá e não gostar da opção que escolheu, existe espaço para trocar entre os semestres ou até mesmo no meio do semestre. Minha última dica é para você tentar encontrar um roommate antes de começar o curso. Dividir o apartamento com alguém que você gosta vai te permitir escolher uma casa mais espaçosa e vai melhorar a relação custo-benefício radicalmente. Parabéns por ter entrado em Harvard e aproveite muito essa jornada!” – Bruno Bueno Correa Martins

“Se você estiver se preparando para entrar numa jornada dessas, pode ter certeza de que você vai viver os melhores meses da sua vida! Estudar fora traz um conhecimento cultural enorme, você vai conhecer pessoas incríveis quase todos os dias e com um nível intelectual muito grande que vão mudar a sua forma de ver o mundo.  O tempo parece passar mais devagar e tudo é muito intenso. Aproveite muito e boa sorte!!” – Eduardo Moraes Schuch

“Com certeza, se estiver planejando uma visita a Cambridge, não esqueça de incluir a Harvard Law School em sua lista de places to go!” – Jean Rodrigo Ribeiro de Pontes

leia também

Julia Chen McClanan: A idealizadora da bolsa Person of the Year

Atual responsável pelas áreas de broker-dealer e de finanças de todas as empresas Itaú no norte do continente americano, Julia Chen McClanan recebeu uma bolsa do Instituto Ling em 2000 que a ajudou a viabilizar o MBA na Universidade de Chicago. Onze anos mais tarde, agora como integrante do Board da Brazilian-American Chamber of Commerce de Nova Iorque (BACC), sugeriu a criação do Person of the Year Fellowship, um programa que beneficia estudantes brasileiros, da mesma forma que havia acontecido com ela, como bolsista do Instituto Ling.

Ler mais

Conheça Luiz Fernando Toledo, especialista em dados públicos, diretor da Abraji e cofundador da agência Fiquem Sabendo

Contemplado na 10ª edição do programa de bolsas de estudo Jornalista de Visão, em 2019, Luiz Fernando Toledo atualmente está cursando Data Journalism (Jornalismo de Dados) na Columbia University, em Nova Iorque.  Além do mestrado, este jornalista de 30 anos atua como diretor da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, ajudando a criar e executar projetos que monitorem o funcionamento da Lei de Acesso à Informação, e é cofundador da Fiquem Sabendo, agência especializada em dados públicos.

Ler mais

Programa VOAR: conheça os bolsistas 2022

O Programa Voar é uma parceria entre Instituto Ling com o Primeira Chance, entidade sem fins lucrativos que investe em alunos em situação de vulnerabilidade social e excepcional desempenho no Ensino Fundamental ou Médio. Através do Voar, ao terminarem a escola, esses jovens recebem ajuda de custo para prosseguirem os estudos no Ensino Superior.

Ler mais