A cultura africana em forma de poesia Foto: Unsplash

A cultura africana em forma de poesia

No próximo dia 14, a partir das 16h, te esperamos junto com a professora e escritora Jane Tutikian para conhecer mais sobre as poetisas africanas pioneiras e contemporâneas! Este é um material de apoio para que você possa dar os primeiros mergulhos na vida e na obra das nossas homenageadas. Se você ainda não se inscreveu, clique aqui!

--

Nesta edição especial do Poesia no Ling, convidamos você a conhecer algumas das importantes vozes da poesia africana em língua portuguesa. Entre pioneiras e contemporâneas, a influência do território, das tradições e da religião na produção literária dessas mulheres, que ampliam a nossa percepção sobre a riqueza da cultura africana.

Ah, importante! No final dessa seção separamos várias dicas e curiosidades, incluindo o link para um vídeo do rapper Emicida onde declama o poema Súplica, de Noémia de Sousa.

Imagem: Divulgação.

 

PIONEIRAS

 

Alda Lara (1930-1962)

Precursora na poesia angolana Alda Ferreira Pires Barreto de Lara Albuquerque, nasceu na cidade de Benguela (Angola) e na juventude mudou-se para Lisboa onde estudou medicina e participou da Casa dos Estudantes do Império (CEI), nesse período escreveu para importantes revistas e jornais da época e publicou alguns de seus poemas. Sua poesia trata principalmente da migração voluntária e involuntária, do sentimento de pertencimento e identidade a uma nação. A obra poética de Alda Lara foi reunida e publicada postumamente no livro Poemas (1966).

 

Prelúdio

Pela estrada desce a noite

Mãe-Negra, desce com ela...

 

Nem buganvílias vermelhas,

nem vestidinhos de folhos,

nem brincadeiras de guizos,

nas suas mãos apertadas.

 

Só duas lágrimas grossas,

em duas faces cansadas.

 

Mãe-Negra tem voz de vento,

voz de silêncio batendo

nas folhas do cajueiro...

 

Tem voz de noite, descendo,

de mansinho, pela estrada...

 

Que é feito desses meninos

que gostava de embalar?...

Que é feito desses meninos

que ela ajudou a criar?...

 

Quem ouve agora as histórias

que costumava contar?...

 

Mãe-Negra não sabe nada...

Mas ai de quem sabe tudo,

como eu sei tudo

Mãe-Negra!...

 

É que os meninos cresceram,

e esqueceram

as histórias

que costumavas contar...

Muitos partiram pra longe,

quem sabe se hão-de voltar!...

 

Só tu ficaste esperando,

mãos cruzadas no regaço,

bem quieta bem calada.

 

É a tua a voz deste vento,

desta saudade descendo,

de mansinho pela estrada...

 

Alda Espírito Santo (1926-2010)

Escritora, poetisa, jornalista e professora nascida no arquipélago de São Tomé e Príncipe na década de 20, Alda é conhecida como uma das figuras mais importantes na poesia africana de língua portuguesa e por sua atuação na luta pela independência de seu povo da condição de colônia. Sua poesia fala de temas do cotidiano da ilha e do desejo de liberdade. Alda Graça, como também é chamada, chegou a ser deputada e Ministra da Cultura e Informação em São Tomé e Príncipe após a conquista da independência em 1975. Sua obra de poesia é composta pelos livros O jogral das ilhas (1976) e É nosso o solo sagrado da terra: poesia de protesto e luta (1978).

 

Em torno da minha baía

Em torno da minha baía

Aqui, na areia,

Sentada à beira do cais da minha baía

do cais simbólico, dos fardos,

das malas e da chuva

caindo em torrentes

obre o cais desmantelado,

caindo em ruínas

eu queria ver à volta de mim,

nesta hora morna do entardecer

no mormaço tropical

desta terra de África

à beira do cais a desfazer-se em ruínas,

abrigados por um toldo movediço

uma legião de cabecinhas pequenas,

à roda de mim,

num vôo magistral em torno do mundo

desenhando na areia

a senda de todos os destinos

pintando na grande tela da vida

uma história bela

para os homens de todas as terras

ciciando em coro, canções melodiosas

numa toada universal

num cortejo gigante de humana poesia

na mais bela de todas as lições:

 

 

HUMANIDADE

 

- Alda do Espírito Santo, em "É nosso o solo sagrado da terra". Lisboa: Ulmeiro, 1978.

 

Noémia De Sousa (1926-2002)

Nascida no litoral sul de Moçambique, ela é conhecida como a “Mãe dos poetas moçambicanos” por sua influência nos poetas das novas gerações. Noémia de Sousa levou através de sua poesia a luta por liberdade do povo de Moçambique e a resistência da mulher africana para as páginas dos jornais de sua época. Seus poemas escritos entre 1948 e 1951 foram reunidos no livro Sangue Negro, publicado em 2001 pela Associação dos Escritores Moçambicanos.

 

Patrão

ah patrão, eu levantei

esta terra mestiça de Moçambique

com a força do meu amor,

com o suor do meu sacrifício,

com os músculos da minha vontade!

Eu levantei-a, patrão!

pedra por pedra, casa por casa,

árvore por árvore, cidade por cidade,

com alegria e com dor!

Eu a levantei!

Se teu cérebro não me acredita,

pergunta à tua casa quem fez cada bloco seu,

quem subiu aos andaimes,

quem agora a limpa e a põe tão bonita,

quem a esfrega e a varre e a encera...

Pergunta ainda às acácias vermelhas e sensuais

como os lábios das tuas meninas,

quem as plantou e as regou, e, mais tarde, as podou...

Pergunta a todas essas largas ruas citadinas,

simétricas e negras e luzidias, quem foi que as alcatroou,

[...]

Pergunta quem morre no cais

todos os dias - todos os dias! -,

para voltar a ressuscitar numa canção…

E quem é o escravo nas plantações de sisal

e de algodão,

por esse Moçambique além…

E tu bate-mês, patrão meu!

Bates-me...

E o sangue alastra e há de ser mar...

Patrão, cuidado, que um mar de sangue pode afogar

tudo... até a ti, meu patrão!

Até a ti…

 

CONTEMPORÂNEAS

 

Ana Paula Tavares

Conhecida no Brasil como Paula Tavares, é uma escritora de destaque da poesia angolana que dedica-se ao trabalho como poeta, cronista, historiadora e professora. Atualmente é docente convidada na Universidade de Lisboa (Portugal) e também leciona na Universidade de Agostinho Neto, em Luanda (Angola). Na Universidade de Lisboa realizou o Mestrado em Literatura Brasileira e Literaturas Africanas de Língua Portuguesa e o Bacharelado e a Licenciatura em História. Sua escrita tem influência de alguns autores brasileiros como Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e Jorge Amado. Entre as obras de poesia da autora destacam-se os livros Dizes-me coisas amargas como os frutos (2001), Ritos de passagem (2007) e Manual para amantes desesperados (2007).

 

(nota ao editor e ao diagramador: a grafia é assim mesmo: cerimónia. e o poema, por ser moderno, deve ser disposto assim)

                                               Cerimónia secreta

 

Decidiram transformar

o mamoeiro macho em fêmea

 

       prepararam cuidadosamente

       a terra à volta

       exorcisaram o vento

         e

       com água sagrada da chuva

       retiraram-lhe a máscara

 

       pintaram-no em círculos

 com

tacula

barro branco

sangue…

 

Entoaram cantos breves

enquanto um grande falo

fertilizava o espaço aberto

a sete palmos da raíz.

 

 

Conceição Lima

Poetisa e jornalista nascida em 1961, em Santana, no arquipélago de São Tomé e Príncipe. Formou-se em jornalismo em Portugal e fez licenciatura em Estudos Afro-Portugueses e Brasileiros no King’s College, em Londres. Sua poesia faz um resgate ao passado cultural do povo são-tomense e trata das marcas deixadas pelo colonialismo. Suas obras de poesia publicadas são O Útero da Casa (2004), A Dolorosa Raiz do Micondó (2006), O País de Akendenguê (2011) e Quando Florirem Salambás no Tecto do Pico (2015).

 

Circum-Navegação

Os homens regressam

Carregados de cidades e distância.

Adormecem os grilos.

Uma criança escuta a concavidade de um búzio.

Talvez seja o momento de outra viagem

Na proa, decerto, a decisão da viragem.

Aqui se engendram alquimias

Lentos hinos bordados em lacerações

Sossegaram os mortos

Há grutas e pássaros de fogo

Rebentos de incômodos recados.

O difícil ofício de lavrar a paciência.

Acontece a arte da viagem

Tanta aprendizagem de leme e remendo…

É quando o olho imita o exemplo da ilha

E todos os mares explodem na varanda.

 

Ana Mafalda Leite

Ana Mafalda Leite é poeta, professora e ensaísta luso-moçambicana. Nasceu 1956 em Portugal, mas cresceu e estudou em Moçambique. Atua como docente na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É Mestre em Literaturas Brasileiras e Africanas de Língua Portuguesa e Doutora em Literaturas Africanas. Algumas de suas  obras de poesia são Em sombra acesa (1984), Canções de Alba (1989), Rosas da China (1999), Passaporte do Coração (2002) e Livro das Encantações (2005).

 

A escuridão da noite ecoando um céu infinito

pontilhado de luzes e uma terra

sem

fronteiras

pensou no teodolito, no sextante e na bússola que

dormiam sem direcção

o oriente oculto pela obscura densidade do sertão

tão diferente daquele outro dos indígenas de

mato grosso

De que valiam as minuciosas observações

geográficas do naturalista?

Batendo o som dos tambores batia seu coração

sem rumo

 

CURIOSIDADES

Em 2015, o rapper brasileiro Emicida declamou no Sesc Pinheiros, em São Paulo, o poema Súplica de Noémia de Sousa. Confira aqui.

Você sabia que o hino de São Tomé e Príncipe foi escrito por Alda Espírito Santo? Independência Total foi adotado como hino nacional em 1975, após a independência do país. Confira aqui.

Que tal assistir uma entrevista da poeta Paula Tavares? Confira no Youtube da Editora Kapulana aqui.

 

DICAS DO LING

Escute o poema Rumo de Alda Lara declamado por Jéssica Iancoski  para o podcast de poesias declamadas Toma Aí Um Poema, disponível aqui.

Ficou com vontade de ler mais sobre as nossas homenageadas? Separamos uma lista de alguns livros para vocês. Basta clicar no nome sublinhado!

Noémia de Sousa: Sangue Negro

Paula Tavares: Amargos como os frutos - Poesia Reunida

Conceição Lima: A dolorosa raiz do Micondó

Ana Mafalda Leite: Outras Fronteiras: fragmentos de narrativa

 

REFERÊNCIAS

Artigo Poética diaspórica, ou o canto ambulante de Alda Lara escrito por Roclaudelo N’dafá de Paulo Silva Nanque, na Revista África e Africanidades. Disponível aqui.

Matéria Alda Espírito Santo - Poetisa das ilhas maravilhosas por Elton Fábio Guadalupe para o site Zunta Cloçan. Disponível aqui.

Artigo Terra e Resistência na poesia de Alda Espírito Santo escrito por Paulo Sérgio Gonçalves. Disponível aqui.

Artigo A poética de Conceição Lima e sua viagem entre mundos, escrito por Simone Pereira Schmidt na ContraCorrente: revista de estudos literários e da cultura. Disponível aqui.

Site Lusofonia Poética. Alda Lara, biografia vida e obra. Disponível aqui.

Editora Caminho. Biografia Conceição Lima. Disponível aqui.

Editora Kapulana. Biografia Noémia de Sousa. Disponível aqui.

Editora Kapulana. Biografia Ana Paula Tavares. Disponível aqui.

Editora Kapulana. Biografia Ana Mafalda Leite. Disponível aqui.

União dos Escritores Angolanos. Ana Paula Tavares: biografia. Disponível aqui.

Recensão de Luara Pinto Minuzzi do livro Outras fronteiras: fragmentos de narrativa, de Ana Mafalda Leite. Disponível aqui